Você já ouviu falar em advocacia colaborativa? Trata-se de uma prática que tem como finalidade resolver conflitos sem que seja preciso ajuizar uma ação e, devido à praticidade e agilidade, tem sido cada vez mais adotada.

No entanto, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o funcionamento dessa atividade, inclusive os profissionais do ramo jurídico. Pensando nisso, preparamos este post para explicarmos o assunto.

O que é advocacia colaborativa?

A advocacia colaborativa foi criada nos EUA e visa celebrar acordos entre as partes, de maneira interdisciplinar, antes que a questão seja ajuizada no Poder Judiciário.

A equipe multidisciplinar deve ser formada por profissionais relacionados ao tópico principal do litígio. No caso do Direito de Família — área que costuma aderir à advocacia colaborativa — essa equipe costuma ser composta por: advogado, consultor financeiro, profissional perito no desenvolvimento infantil, terapeuta ou psicólogo, etc.

Assim, podemos dizer que a advocacia colaborativa é uma forma razoável de resolver problemas e apresenta bom senso, quando comparada à justiça tradicional que, por sua vez, muitas vezes, gera a sensação de injustiça entre as partes.

Como isso funciona?

O principal objetivo da advocacia colaborativa é fazer com que as partes se ajudem e cheguem à resolução ideal para ambas. Nesse processo, os advogados devem assinar um termo de não litigância. Esse documento atesta a saída dos advogados do caso, se as partes não chegarem a um acordo e tal questão for judicializada.

Assim, apesar de os advogados terem que declinar da causa, eles devem manter sigilo acerca dos assuntos conversados durante as reuniões de acordo. Contudo, a restrição vale apenas para esse caso em questão, ou seja, o profissional ainda pode atuar em outros processos para o mesmo cliente.

Quais são os diferenciais da advocacia colaborativa?

Entre os principais diferenciais da advocacia colaborativa, há o fato de que, graças ao termo de não litigância, os advogados não representam uma ameaça mútua se houver um litígio judicial. O que ajuda a criar um ambiente colaborativo, já que o espaço para conversa é amigável e protegido de ameaças.

Além disso, apesar de a advocacia colaborativa ainda estar relacionada com o Direito de Família, essa prática também pode ser adotada em outros ramos jurídicos, como o Direito Empresarial, principalmente em litígios que envolvem participação em sociedades empresárias e compliance.

É válido ressaltar que já existem, inclusive, precedentes de casos famosos que usaram a advocacia colaborativa no Brasil e foram bem-sucedidos. Quando ocorreram os acidentes dos voos 3054 da TAM, em 2007, e o 447 da Air France, em 2009, o Procon, o Ministério Público e as famílias das vítimas formaram uma câmara de indenização. Semelhante à que foi composta nos EUA, devido aos ataques do 11 de setembro de 2001.

Nessa câmara, a seguradora das companhias áreas pagou a indenização aos familiares sem que fosse preciso ingressar com uma ação judicial. Dessa maneira, as famílias não tiveram de enfrentar o desgaste emocional e a demora de um processo — mais um diferencial da advocacia colaborativa.

Contudo, os requisitos às famílias e aos advogados eram que, ao entrarem na câmara, não deveriam ser ajuizadas outras demandas enquanto durasse a negociação e, se já houvesse processo judicial em trâmite, ele deveria ser suspenso, já que havia um documento que previa um termo de não litigância e de confidencialidade.

Tenha as mesmas condições

Quais são as vantagens dessa metodologia?

Agora que você já sabe o que é a advocacia colaborativa, chegou o momento de apresentarmos quais são as vantagens dela!

Preservação da autonomia

A advocacia colaborativa tem como finalidade a resolução consentida da lide, preservando a autonomia das partes que podem chegar a um acordo que seja bom para ambas por conta própria.

Confidencialidade

A confidencialidade que a advocacia colaborativa proporciona é mais uma vantagem, especialmente em litígios que envolvem questões pessoais, como divórcio e guarda de filhos. A prática é transformadora, pois o contrato de não litigância assegura um espaço protegido e sincero para conversas, já que nada do que foi exibido ou falado pode sair dali.

Redução de custos

Os clientes também conseguem solucionar o problema sem gastar muito. Apesar de a advocacia colaborativa cobrar mais em um primeiro momento, o valor final pago é mais baixo em relação a um processo judicial. Isso porque a demora do Poder Judiciário e a quitação dos honorários ao advogado nesse período costuma encarecer a via tradicional.

Manutenção de parcerias

O bem-estar das partes e a manutenção de parcerias também são pontos relevantes proporcionados pela advocacia colaborativa, já que um processo na justiça pode ser doloroso e desgastante para os envolvidos.

A forma de resolver problemas aplicada pela advocacia colaborativa consegue gerar uma boa relação entre as partes. Complementar a isso, como é possível finalizar a lide de maneira muito mais ágil, o desgaste não é prolongado.

Como é a atuação profissional na advocacia colaborativa?

Hoje em dia, muitos clientes esperam que o profissional conte com mais recursos para resolver conflitos do que para ajuizar processos, até mesmo no caso de advogado de pequenas causas. Assim, a atuação do profissional nessa área deve ser voltada para o melhor interesse do cliente.

Nessa área, o advogado deixa de ser um operador de litígio e contenciosidade. Por isso, aqueles que desejam perpetuar a prática devem procurar desenvolver habilidades como a empatia, persuasão, boa comunicação e resolução consensual.

A advocacia colaborativa possibilita a autocomposição e tem como foco obter efeitos positivos para as partes. Ou seja, assim como ocorre nas demais formas extrajudiciais para solucionar conflitos, a situação deve ser positiva para todos.

Para isso, o advogado é procurado após ser acionado pelo cliente — situação em que o profissional deve conversar com o cliente para examinar a situação do conflito a fim de observar se a advocacia colaborativa é o melhor para o caso.

Se for escolhida essa estratégia de resolução, o profissional deve explicar como ocorre a atuação da equipe multidisciplinar e as fases do processo, bem como analisar a demanda de especialistas colaborativos de outros ramos.

Como vimos, a advocacia colaborativa é uma forma de solucionar conflitos de maneira pacífica. Por isso, a atuação do advogado por meio dessa abordagem é relevante para que a prestação de serviço seja mais eficiente.

Se você gostou das orientações que apresentamos neste post, nos siga nas redes sociais. Estamos no Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.