A 1ª turma do Superior Tribunal de Justiça, afastou a incidência do previsto no art. 15 do Novo Código Florestal, e manteve a área de preservação ambiental de acordo com o que estabelecia a legislação vigente à época dos fatos.

Nesse sentido, o Superior Tribunal de Justiça, entende a constitucionalidade do artigo 15 do Código Florestal, porém, compreende que isso não significa a aplicação automática do dispositivo em casos anteriores à sua constituição.

Logo, o STJ destaca que, envolvendo matéria ambiental, é fundamental a prevalência do tempus regit actum, a fim de determinar a aplicação da legislação vigente no momento do ocorrido para evitar retrocessos ambientais.

O Ministério Público de São Paulo, ajuizou ação civil pública contra proprietários de um terreno, com o objetivo de obrigá-los a criar uma área de reserva ambiental, bem como não efetuar a exploração dos recursos naturais encontrados na respectiva área.

Em análise feita pelo juízo de 1º grau, houve uma sentença parcialmente favorável ao MP/SP, determinando que os proprietários instituíssem a área de reserva ambiental no terreno, entretanto, após a interposição de recurso de apelação pelos proprietários, o TJ/SP proveu parcialmente o recurso dos recorrentes, aplicando as regras atuais previstas no artigo 15 do Código Florestal.

Tenha as mesmas condições

Ao considerar que a decisão não fora favorável ao meio ambiente, o MP/SP interpôs recurso especial para questionar a aplicação imediata dos artigos 15 e 66 do Novo Código Florestal.

Ao analisar o recurso especial, o ministro Luiz Alberto Gurgel de Faria, destacou que a declaração de constitucionalidade feita pelo Supremo Tribunal Federal, acerca do artigo 15 do Código Florestal, não impede a análise da irretroatividade do atual Código.

Nesse sentido, destacou que os institutos de direito adquirido, ato jurídico perfeito e coisa julgada são disciplinados pela legislação infraconstitucional, razão pela qual é possível a aplicação do direito adquirido à luz do artigo 6º, parágrafo 2º da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro.

Portanto, ressaltou que a atual jurisprudência do STJ impede o retrocesso ambiental, e determinou que os proprietários instituam área de reserva legal de acordo com a legislação vigente à época dos fatos.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.