No estado do Paraná, a 11ª câmara Cível do TJ/PR decidiu por unanimidade que um casal concretizasse um processo de adoção depois do falecimento da bebê, com apenas sete dias de vida, considerando: “não resta dúvida que o casal faz jus à adoção da criança falecida como filha, e ela merece conter em sua lápide o nome daqueles que realmente foram sua família, pelo exíguo lapso de sua existência terrena”.

A mãe biológica da bebê, alegou durante a gestão que não possuía condições de criar a criança e ingeriu medicamentos abortivos para que interrompesse a gravidez, porém apenas acelerou o parto. A menina nasceu com 23 semanas e foi colocada para adoção logo em seguida.

Antes de ser adotada pelo casal, a bebê foi rejeitada por quatro casais, considerando o grau de prematuridade e a chance de óbito. A guarda provisória foi dada, porém dois dias após o início do estágio de convivência a bebê faleceu, tendo apenas sete dias de vida e sem a conclusão do processo de adoção.

Da mesma forma, o casal quis concretizar o processo, porém a adoção pós morte só é dada na legislação na possibilidade de morte do adotante, existindo uma lacuna para o tratamento quando acontecer o falecimento do adotado.

Foi entendido pelo juízo de 1º grau não era possível que se ignorasse a relação de afeto que passou a existir entre o casal e a bebê, merecendo respaldo do Poder Judiciário. Mesmo que exista a omissão na legislação, não está proibida a sua concretização:

Tenha as mesmas condições

“Os requerentes batizaram a filha, fizeram seu sepultamento com a participação dos familiares e da comunidade onde vivem. Não há como explicar, quantificar a entrega desses pais, desta família, neste processo tão curto de adoção, muito menos negar que a vinculação existiu ou julgar que pelo tempo mínimo não pudesse existir”.

Compreendendo que não é porque a criança veio a falecer que os pais não queiram finalizar o processo de adoção, foi decretado que a finalização do procedimento pelo casal. Porém a decisão foi recorrida pelo MP, com a alegação de que não é juridicamente viável visto que existe perda do objeto do processo além de não haver previsão legal.

A 11ª câmara cível do TJ/PR analisou o recurso, mantendo por unanimidade a sentença com a justificativa de que o que foi decidido na origem não versa sobre interesse patrimonial, além de não causar prejuízo. Tendo certeza de que existe um vínculo entre o casal e a bebê.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.