É inegável o poder de atração que grandes julgamentos exercem sobre os aspirantes à advocacia. De certo modo, o fascínio pelo mundo jurídico começa justamente com a encenação de filmes, séries e peças que retratam casos jurídicos controversos. Contudo, essas situações polêmicas não ocorrem apenas na ficção.

A vida real também apresenta muitos casos surpreendentes, capazes de deixar para trás qualquer roteiro de Hollywood. O Brasil já esteve no centro de muitas dessas histórias que marcaram o mundo jurídico e cujas resoluções são inspiradoras para qualquer advogado ou estudante de Direito. Para descobrir mais sobre esses processos e aprender como eles foram solucionados, continue a leitura!

1. Caso Daniella Perez

Por volta das 21h do dia 28 de dezembro de 1992, Daniella Perez, atriz e protagonista da novela “Corpo e Alma”, exibida pela Rede Globo, foi assassinada brutalmente com um punhal que causou quatro perfurações no pescoço, oito no peito e seis nos pulmões, além de outros ferimentos.

Na noite do crime, Guilherme de Pádua — colega de elenco e par romântico na novela — acompanhado de sua esposa, Paula Thomaz, abordou e agrediu Daniella, deixando-a desacordada. Com a vítima desmaiada, Guilherme — conduzindo o carro de Daniella — e Paula se dirigiram a um matagal localizado na Barra da Tijuca (RJ), onde causaram a morte da jovem.

Uma testemunha, estranhando dois carros parados em local ermo, anotou placa e descrição dos veículos e ligou para a polícia. Quando os policiais chegaram ao local, encontraram apenas o carro de Daniella e seu corpo já sem vida.

Durante as investigações, e com base nas informações da testemunha, a polícia descobriu que o outro carro visto no local pertencia a Guilherme, que tentou adulterar a placa com fita isolante na noite do crime, evidenciando a premeditação. Após a confissão do crime, Guilherme e Paula foram presos e acusados de homicídio qualificado por motivo torpe. Guilherme foi condenado a 19 anos de reclusão e Paula, a 18 anos.

2. Caso Isabella Nardoni

Na noite de 29 de março de 2008, Isabella Nardoni, de apenas 5 anos, foi arremessada pela janela do 6.º andar do edifício London, na cidade de São Paulo. Após a queda, Isabella foi socorrida, falecendo a caminho do hospital.

As principais suspeitas do crime recaíram rapidamente sobre seu pai, Alexandre Nardoni, e sua madrasta, Anna Carolina Jatobá. Alexandre afirmou, inicialmente, que o apartamento foi assaltado e Isabella foi arremessada pela janela por um dos assaltantes.

O relato inicial do pai dizia que, ao chegar de carro de um evento, levou a menina para o apartamento e voltou à garagem para ajudar Anna Carolina a subir com seus dois outros filhos. Ele afirmava que nesse lapso temporal ocorreu o crime.

Contudo, a versão apresentada levantou suspeitas. Havia muitas pontas soltas na história e nenhum sinal de luta ou arrombamento no apartamento. Além disso, nenhum pertence foi subtraído e a tela de proteção do quarto foi cortada.

Conforme a polícia percebia as contradições no relato, a cena do crime foi, gradualmente, desvendada. Havia sinais de asfixia na pequena Isabella e sangue no apartamento e na janela. As contradições revelaram que não havia assaltante e Isabella foi agredida e jogada por Alexandre, com a participação de Anna Carolina.

Ambos foram acusados e condenados por homicídio triplamente qualificado por meio cruel. Alexandre Nardoni foi condenado a 31 anos de reclusão e Anna Carolina Jatobá, a 26 anos. Até hoje não se sabe a real motivação do crime.

3. Caso River Jungle

Entre os anos de 1998 e 2003, os hóspedes do Hotel River Jungle, no Amazonas, eram entretidos com uma atração única: a apresentação de um grupo de índios tarianos. Vindos do noroeste do estado, o grupo era composto por 34 adultos e crianças que faziam apresentações de rituais indígenas aos hóspedes do hotel em troca de alimentação — constituída de restos de comida — e R$ 100 de cachê — dividido entre os adultos.

Tenha as mesmas condições

Os índios eram proibidos de andar pelo hotel, de falar português e deviam ficar à disposição para apresentações a qualquer hora do dia, incluindo sábados e domingos. Em 2003, um relatório elaborado pela Funai constatou as dificuldades vividas pelas comunidades locais, levando a imprensa a noticiar os fatos. O hotel, então, dispensou os índios, mas não pagou nenhuma compensação trabalhista.

A Funai e o MPT colheram diversos depoimentos que revelaram as inúmeras situações constrangedoras às quais os índios eram submetidos. Em uma ação civil pública, o MPT pediu o reconhecimento da relação de emprego e o pagamento de todas as verbas trabalhistas devidas durante todo o período (de 1998 a 2003), além de uma indenização por dano moral.

A Justiça reconheceu o vínculo empregatício, condenando o hotel ao registro da carteira de trabalho de todos os adultos do grupo e ao pagamento de todas as parcelas trabalhistas. Além disso, o Hotel River Jungle foi condenado a pagar R$ 250 mil a título de indenização pelos danos morais, uso da imagem e todo o sofrimento causado.

4. Caso Molho Adulterado

Em 2008, uma família da cidade de Lajeado, no Rio Grande do Sul, passou por uma situação inusitada e repulsiva: a presença de um preservativo masculino na lata de extrato de tomate. A mulher, que entrou com uma ação contra a empresa fabricante, relatou que abriu uma lata de extrato de tomate para utilizar no preparo de almôndegas para o almoço.

Após a refeição, quando foi retirar o que sobrou do molho de dentro da lata, encontrou um preservativo masculino enrolado no meio do produto. Ao descobrir o objeto, toda a família sentiu náuseas e vômitos. A mulher, então, entrou em contato com a fabricante para relatar o ocorrido, recebendo como resposta apenas a substituição da lata por outra.

Indignada, ela levou o produto para análise na Univates, em Lajeado. O laudo foi utilizado para ingressar com uma ação na Justiça requerendo indenização pelos danos sofridos com a ingestão do produto. O processo foi julgado procedente e a empresa condenada a pagar R$ 10 mil por danos morais.

5. Caso Richthofen

Na noite de 31 de outubro de 2002, na cidade de São Paulo, Manfred e Marísia von Richthofen foram assassinados com diversos golpes na cabeça. Eles não aprovavam o relacionamento amoroso entre sua filha, Suzane, e seu namorado, Daniel, devido à diferença social e financeira que havia entre eles.

Para resolver esse problema, Suzane planejou e comandou o assassinato dos próprios pais com a ajuda de parceiro e do irmão dele, Cristian. O crime foi cuidadosamente premeditado: Suzane tirou seu irmão mais novo de casa, abriu a porta para os irmãos Cravinhos, verificou que seus pais estavam dormindo e liberou o acesso dos irmãos ao quarto do casal.

Após o assassinato, os agressores reviraram o quarto do casal e pegaram dinheiro e joias na tentativa de forjar um latrocínio. A cena do crime era muito peculiar: apenas o quarto do casal estava bagunçado, algumas joias não foram levadas, entre outros detalhes.

Em busca de respostas, as investigações logo trouxeram à tona que o relacionamento de Suzane e Daniel não era aceito pela família. A partir daí os namorados se transformaram nos principais suspeitos. Não tardou muito para os policiais também chegarem até Cristian.

Quando os três foram intimados para prestar esclarecimentos, logo sucumbiram e confessaram o crime. Os três réus foram condenados pela prática do duplo homicídio qualificado. Daniel e Suzane foram condenados a 39 anos e Cristian, a 38 anos de reclusão.

Conhecer casos jurídicos polêmicos é inspirador para a carreira do advogado. Frequentemente, eles quebram paradigmas da área e levam o Tribunal Superior a emitir novas orientações e súmulas. Se você deseja se especializar na área criminal, mas não sabe como pagar a especialização, pode se candidatar a uma bolsa de estudo na Escola Brasileira de Direito (EBRADI).

Gostou do conteúdo? Para ficar pode dentro dos principais assuntos jurídicos, siga nossas redes sociais. Estamos no Facebook, Twitter, Instagram e LinkedIn!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.