Na última terça-feira (10/09), o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou uma resolução que permite a viagem de crianças e adolescentes desacompanhados de seus responsáveis, necessitando, apenas, de uma autorização expressa.

André Godinho foi o conselheiro que apresentou a proposta da mudança, aprovada por unanimidade no plenário do conselho.  A partir de agora, os menores poderão viajar sem a presença dos tutores ou pais e, para que isso aconteça, será necessário apenas a apresentação de um documento, que poderá ser formalizado por meio de escritura pública ou particular, que conceda esse direito às crianças e/ou aos adolescentes.

O Conselheiro diz:

“Com a entrada em vigor da lei 13.812/19, houve alteração significativa no regramento de viagens nacionais de adolescentes menores de 16 anos que passaram a necessitar de autorização para empreender viagem desacompanhados, ainda que em território nacional”.

1) A mitigação da Regra

A regra poderá ser mitigada quando a deslocação ocorrer para uma comarca contígua à residência dos pais, dentro do mesmo estado ou da mesma região metropolitana; quando os respectivos menores estiverem acompanhados de um ascendente ou um colateral maior, até o terceiro grau, desde que o parentesco seja comprovado mediante documento; ou quando a existir um maior expressamente habilitado pelos pais por meio de escritura pública ou particular constituída com firma constituída.

2) Escritura Pública e suas características

A “escritura pública” é um termo que se conceitua para qualquer tipo de documento feito por uma autoridade competente, que, no caso, ocorre por um Tabelião, possuindo o intuito de formalizar juridicamente o mando emitido pelas partes.

Tenha as mesmas condições

A função do tabelião não se compreende apenas em redigir um documento, pois se constitui no aconselhamento das partes, verificando a licitude do conteúdo, avaliando a capacidade dos envolvidos (bem como as identidades do respectivos), além de atuar analisando o pagamento das exigências tributárias necessárias, e realizar um documento que evidencie a vontade das partes.

Existem inúmeras possibilidades de escrituras públicas, como, por exemplo, inventário e partilha de bens, reconhecimento de paternidade, cessão de direitos hereditário, contrato de compra e venda, entre outros.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.