O Juiz de Direito Francisco Seráphico Da Nóbrega Coutinho, da 6ª vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal/RN, indeferiu o pedido de tutela de urgência formulado pela Associação de Juristas Potiguares pela Democracia e Cidadania, pedindo decretação de lockdown no Estado do Rio Grande do Norte.

A Associação sustentou que é necessário a tomada de medidas mais rigorosas e urgentes para conter o avanço do Novo Coronavírus e, por conta disso, ingressou com Ação Civil Pública face ao Estado do Rio Grande do Norte, e Municípios de Natal, Mossoró, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Macaíba e Extremoz a fim de decretar o lockdown.

Ao analisar o caso, o magistrado compreendeu que é importante ressaltar a importância do princípio da separação dos poderes e, portanto, deve-se realizar a análise evitando uma postura juriscêntrica, isso é, analisar a função de cada um dos poderes e considerar que o Poder Judiciário só deve intervir para suprir omissão normativa ou administrativa que esteja causando uma proteção insuficiente.

Nesse sentido, sustentou que não há omissão ilícita do Estado e dos municípios promovidos, visto que foram adotadas diversas medidas de proteção para o enfrentamento deste momento de calamidade pública.

Ademais, argumentou que a decisão não está considerando o mérito do lockdown, mas sim que no caso em questão o Estado e os Municípios promovidos estão adotando medidas concretas para assegurar o direito à vida e à saúde da população e, portanto, deve-se exercitar autocontenção judicial, respeitando o princípio da separação dos poderes.

Tenha as mesmas condições

Por fim, o juiz indeferiu o pedido de tutela de urgência por considerar que:

 É incontroversa a necessidade de atuação integrada da população e dos entes públicos para intensificar a fiscalização do cumprimento das medidas de isolamento social, tornando o simbolismo dos decretos em realidade fática, extraindo a força normativa desses atos.”

1) O que é competência?

 A competência pode ser compreendida como uma limitação do poder jurisdicional, ou seja, é o alcance do poder de juiz distribuído por lei de julgar determinado caso. Ao analisar o caso concreto, verifica-se que o Poder Judiciário deve julgar excepcionalmente a gestão de políticas públicas, devendo intervir somente se estiver evidenciado a omissão ilícita do Estado, ou seja, entende-se que a intervenção do Poder Judiciário em outros poderes é excepcional.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

 

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.