A 4ª turma do TST decidiu a favor da legalidade de um contrato de trabalho intermitente firmado por uma empresa de eletrodomésticos. Dessa forma, cumpriu-se com todos os requisitos para pactuação dessa modalidade contratual.

De acordo com o parágrafo 3º do artigo 443 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), considera-se intermitente o contrato de trabalho em que a prestação de serviços não é contínua. Ela pode ocorrer com alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade, independentemente do tipo de atividade do empregado e do empregador.

Além disso, determina o artigo 452-A que o contrato intermitente deve ser celebrado por escrito e conter especificamente o valor da hora de trabalho, que não pode ser inferior ao valor horário do salário mínimo ou àquele devido aos demais empregados do estabelecimento que exerçam a mesma função.

No caso em análise, o auxiliar foi contratado em novembro de 2017, período esse em que já havia a vigência da reforma trabalhista. O empregado trabalhou 98 dias numa das lojas da rede em Minas Gerais. Na reclamação trabalhista, ele pediu que a contratação intermitente fosse declarada nula, por: “violar o regime de emprego, a dignidade humana, o  compromisso  com  a  profissionalização  e  o  patamar  mínimo  de  proteção  devido  às  pessoas  que  necessitam  viver  do  seu  trabalho”.

Na 4ª vara do Trabalho de Coronel Fabriciano/MG, o pedido teve seu julgamento improcedente. Entretanto, o TRT da 3ª região condenou a empresa ao pagamento das diferenças salariais durante todo o período contratual com base no valor da hora paga, multiplicados por 220, correspondente à carga horária mensal cheia.

Tenha as mesmas condições

Embora reconhecendo a licitude do regime intermitente, de acordo com a nova legislação, o Tribunal entendeu que a referida modalidade de contratação só deve ser feita em caráter excepcional, e não para suprir demanda de atividade permanente, contínua ou regular

“Não é cabível ainda a utilização de contrato intermitente para atender posto de trabalho efetivo dentro da empresa”, registrou.

Nesse mesmo sentido, o relator do recurso de revista, ministro Ives Gandra Martins Filho, frisou que, levando em consideração os parâmetros da lei, o trabalho descontínuo pode ser firmado para qualquer atividade, exceto para aeronautas, desde que observado o valor do salário hora dos demais trabalhadores não intermitentes da empresa. Em seu entendimento, o TRT criou parâmetros e limitações não contidos na CLT. “Contrastando a decisão regional com os comandos legais supracitados, não poderia ser mais patente o desrespeito ao princípio da legalidade”, afirmou.

Por unanimidade, a turma deu provimento ao recurso para restabelecer a sentença.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.