A juíza de Direito Oriana Piske, do 4ª Juizado Especial Cível de Brasília, condenou um colégio do Distrito Federal a restituir cheques e o valor descontado indevidamente como multa por rescisão contratual. Nesse sentido, a escola, que adiou diversas vezes a aula e, portanto, possui culpa exclusiva no feito, não pode cobrar multa por rescisão contratual do consumidor.

De acordo com os autos do processo, a autora celebrou contratos de prestação de serviços educacionais para seus dois filhos, na data de novembro de 2019 e com o início do ano letivo marcado para fevereiro de 2020. Após a confirmação contratual, efetuou o pagamento das quantias relativas às duas primeiras mensalidades, bem como emitiu 10 cheques pré-datados.

Entretanto, a escola, que possui ao todo 300 operários em atuação para entregar a obra no prazo, não conseguiu iniciar as aulas na data prevista no contrato e, por conta disso, ocasionou em uma quebra de segurança presenciada pela consumidora que, consequentemente, resolveu rescindir o contrato antes do início das aulas, solicitando a devolução dos valores pagos.

Contudo, após a solicitação da rescisão contratual por parte da consumidora, o cheque pré-datado para março, no valor de R$ 640,30 compensou normalmente.

Por conta disso, a consumidora solicitou que houvesse o pagamento no valor de R$ 1.280,60 por parte da escola, por conta da repetição de indébito, e devolvesse os cheques restantes.

Tenha as mesmas condições

Todavia, em contestação apresentada pela escola ré, a sustentação se deu no sentido de que o atraso na entrega da obra foi motivo para adiar as aulas e prejudicar o calendário escolar, porém, houve o envio de comunicado certificando das ações para todos os pais e responsáveis dos alunos.

Além disso, argumentou que a rescisão contratual se deu por vontade única e exclusiva da consumidora, motivo pelo qual enseja a cobrança de multa no valor de 20% da primeira mensalidade. Ademais, demonstrou que efetuou o depósito de todas as outras parcelas na conta bancária da consumidora e, em relação ao cheque compensado em março, orientou-a à sustá-lo e, por conta disso, alegou não ter agido de má-fé, motivo pelo qual seria incabível a cobrança de indenização a título de danos morais.

Todavia, ao analisar o caso apresentado, a magistrada observou que os diversos adiamentos do calendário escolar realmente provocaram uma grande insegurança jurídica em relação ao cumprimento do contrato por parte da escola e, por conta desse motivo, é possível a rescisão do contrato sem a cobrança de multa rescisória.

Portanto, a juíza observou que não houve motivos cabíveis para a configuração de danos morais, porém, condenou a escola ré a rescindir o contrato de prestação de serviços educacionais e restituir a quantia de R$ 1.115,20 a título de danos materiais.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.