A 10ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª região manteve a decisão proferida pelo primeiro grau de jurisdição e determinou o pagamento de indenização de R$ 100 mil a um trabalhador que exercia suas atividades habituais como operador de equipamentos e instalações e, em um certo dia, veio a perder o braço direito em virtude de um acidente de trabalho.

De acordo com os autos do processo, o funcionário se feriu em uma correia transportadora que não dispunha de proteção no ano de 2011. Nesse sentido, obteve o afastamento pelo Instituto Nacional do Seguro Social até janeiro de 2014, quando retornou ao trabalho com outra função, exercendo, a partir de então, o cargo de operador de balança rodoviária e, em outubro de 2018 foi dispensado sem justa causa e imotivadamente, o que o levou a ajuizar reclamação trabalhista em maio de 2019.

As testemunhas narra que o funcionário caiu no declive onde estava posicionado o equipamento, que era de material escorregadio e não tinha a proteção adequada. A perícia médica destacou que o empregado desenvolveu transtorno depressivo com manifestações de ansiedade em virtude do acidente sofrido que o lesionou gravemente. Além do dano psíquico e estético destacados e evidenciados na perícia médica, notou-se que o funcionário apresenta incapacidade laborativa parcial e permanente calculada em 70%.

Ao analisar o caso, o juízo de 1º grau observou a gravidade das sequelas definitivas físicas, estéticas e psicológicas carregadas pela vítima do acidente de trabalho, sendo possível destacar que o dano moral no presente caso é consequência do dano físico e, portanto, fixou-se a indenização em R$ 100 mil.

Tenha as mesmas condições

Entretanto, a empresa interpôs recurso alegando que a decisão é contraditória em relação à perda da capacidade laborativa, destacando que o obreiro não padece de doença ocupacional.

Todavia, a desembargadora Taísa Maria Macena de Lima destacou que não há contradição apresentada na sentença prolatada pelo juiz de primeiro grau, ressaltando que o fato da doença ocupacional ter se originado de fatos pretéritos não autoriza a declaração de prescrição da pretensão indenizatória.

Portanto, o colegiado a 10ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho negou o recurso apresentado pela empresa e manteve a decisão proferida pela primeira instância com o objetivo de determinar a indenização em R$ 100 mil.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.