A 4ª turma do Superior Tribunal de Justiça reformou acórdão proferido pelo TJ/SC com a finalidade de afastar o benefício de isenção de custas processuais concedido a uma fundação municipal condenada por descumprimento contratual.

Com esse entendimento, fixou-se que as fundações públicas de direito privado, cuja criação segue o princípio da legalidade, ou seja, é constituída através da aprovação por lei, não são equiparadas à Fazenda Pública e, por conta disso, não fazem jus à isenção de custas processuais.

Trata-se de ação ajuizada por uma empresa alemã para cobrar da fundação municipal, parcelas que não foram pagas oriundas de um contrato de compra de equipamentos hospitalares. Ao proferir a decisão de primeiro grau, o juiz condenou a fundação a realizar o pagamento de um valor superior a R$ 2 milhões, além das despesas processuais e dos honorários advocatícios de 1% sobre o valor da condenação.

Entretanto, ao interpor recurso de apelação contra a decisão proferida em primeiro grau, o TJ/SC determinou a isenção das custas processuais para a fundação, visto que trata-se de um ente subsidiado pelo poder público e, por conta disso, equipara-se à Fazenda Pública, sendo impossível a determinação do pagamento de custas processuais.

Tenha as mesmas condições

Contudo, a empresa interpôs recurso especial face o acórdão proferido pelo TJ/SC, sob o argumento de que a fundação não seria subsidiada pelo município. Nesse sentido, ao analisar o recurso, o relator, ministro Luis Felipe Salomão, explicou que no ordenamento jurídico brasileiro, existem três tipos de fundações: as privadas, instituídas pelos particulares e regidas pelo direito privado; as públicas de direito privado, instituídas pelo poder público; e as públicas de direito público, que possuem a natureza jurídica de autarquia.

Destacou assim que enquanto as fundações públicas de direito público são criadas por lei específica, a criação das fundações públicas de direito privado precisa ser autorizada por lei. Ao analisar o caso, observou que a entidade fundacional é de direito privado, filantrópica e de utilidade pública, sendo editada uma lei municipal para autorizar sua criação.

Portanto, ressaltou que para que as fundações públicas recebam o tratamento benéfico de isenção de custas processuais, é preciso que estas possuam natureza jurídica de direito público, o que não é o caso da fundação municipal, que é de direito privado e, assim, reformou o acórdão proferido pelo TJ/SC para afastar o benefício de isenção das custas processuais.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.