Na última quarta-feira (30/10), foi apresentado Projeto de Lei (PL) com a proposta de prorrogar a data da entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) para agosto de 2022.

A Lei 13.709/18 – como é juridicamente conhecida a lei de proteção de dados – foi publicada em 2018 e programada para vigorar a partir de agosto de 2020. Diante disso, o deputado, Fernando Bezerra, argumentou que essa legislação representa um marco para a proteção da privacidade das informações pessoais dos usuários de todo o país, fomentando, também, a competitividade das organizações brasileiras em outros países, porém o tempo estabelecido não foi o suficiente para que as empresas se adaptassem às novas regras, dizendo:

 “Embora os benefícios advindos da norma sejam inquestionáveis, a pouco mais de dez meses da entrada em vigor da LGPD, apenas uma pequena parcela das empresas brasileiras iniciou o processo de adaptação ao novo cenário jurídico”

A sua justificativa, todavia, pautou-se no fato de que as empresas grandes não estão prontas para essas novas mudanças e isso poderá afetar, ainda mais, as empresas pequenas, que não tem suporte suficiente para tais transformações.

O autor do Projeto de Lei completou:

“morosidade do Poder Público na instalação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados – ANPD” e diz que, ainda que ela seja instalada com a maior brevidade possível, “cenário que não nos parece provável”

Ainda na Câmara dos Deputados, o projeto está esperando o despacho do Presidente Rodrigo Maia, para começar a sua devida tramitação, no diz respeito ao processo legislativo.

1) LGPD e suas características:

A LGPD é uma lei criada sobre os embasamentos de uma lei europeia que dispõe sobre a proteção de dados pessoais. Sua implantação foi feita com o intuito de haver uma adaptação sobre as empresas que fazem o tratamento de dados dos usuários brasileiros.

Isso se tornou necessário por conta das ilicitudes, das utilizações de dados sem autorizações, da falta de compromisso das empresas com os usuários e dos inúmeros danos que isso poderia causar, de forma material ou moral.

Tenha as mesmas condições

Assim, essa lei estabelece regramentos para que as organizações tenham um compromisso com a proteção das informações que coletam, vejamos o artigo 1º dessa lei:

Art. 1º Esta Lei dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.

Parágrafo único. As normas gerais contidas nesta Lei são de interesse nacional e devem ser observadas pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.