O juiz de Direito Otavio Tioiti Tokuda, da 10ª vara de Fazenda Pública de São Paulo/SP, observou a legalidade da multa aplicada pelo Procon a um posto de gasolina que aumentou o preço do combustível durante a greve dos caminhoneiros realizada em 2012 e, por conta disso, manteve a sanção aplicada.

De acordo com o magistrado, o aumento abusivo do preço do combustível “coincidiu justamente com a greve deflagrada pelos caminhoneiros distribuidores do produto, de modo a causar a escassez no mercado e o consequente aumento repentino da procura pelos consumidores, temerosos com a situação e preocupados em garantir o abastecimento de seus veículos”.

Trata-se de ação anulatória de débito fiscal ajuizada pelo posto de gasolina contra o Procon por auto de infração lavrado por violação ao artigo 39, X, do Código de Defesa do Consumidor, estabelecido sob a sustentação de que o posto promoveu o aumento injustificado de seus produtos de forma repentina e, por conta disso, seria obrigado a realizar o pagamento de uma multa, com a inscrição do débito na dívida ativa, protesto do título e inscrição na Serasa.

Por sua vez, o estabelecimento argumentou a inexistência de aumento do preço abusivo e atribuiu o ocorrido ao fato de terceiro, visto que a greve dos caminhoneiros provocou o aumento do preço, além de considerar que essa elevação foi inferior à média do preço dos combustíveis e que inexistia tabelamento de preço, sendo, portanto, livre a prática de aumento de preço pelo comerciante.

Tenha as mesmas condições

Através dessas alegações, pediu a suspensão da exigibilidade do débito e a abstenção da sua cobrança, além da suspensão da inscrição no Serasa e a nulidade do auto de infração e multa aplicada.

Contudo, o magistrado destacou que a sustentação feita pelo comerciante não pode prosseguir, visto que o aumento de preços ocorreu de forma injustificada e sem fundamento, assim, não se fala de fato de terceiro, tampouco comparação com a média do mercado, visto que para configurar a abusividade prevista no Código de Defesa do Consumidor basta a inexistência da justa causa.

Portanto, observou que o ato administrativo efetuado pelo Procon possui fundamento e, por conta disso, manteve a aplicação da multa ao posto de gasolina pelo aumento injustificado do preço do combustível durante a greve dos caminhoneiros.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.