O direito à vida, joia da coroa contida na Declaração dos Direitos do Homem de 1945 e uma das cláusulas pétreas da atual Constituição Federal, materializa-se no direito de todo ser humano merecer atendimento digno a sua própria saúde.

Tenha as mesmas condições

É dentro desse polêmico tema que, nesta quarta-feira (22/05), os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram que a regra geral deve ser a de que o Estado não pode ser compelido a fornecer medicamento não registrado na ANVISA – que atua precisamente na avaliação e certificação da segurança e eficácia dos medicamentos produzidos e/ou comercializados no Brasil – exceto em casos excepcionais.

Após calorosos debates perpetrados no plenário da Suprema Corte, por maioria, os ministros fixaram o seguinte entendimento:

1.O Estado não pode ser obrigado a fornecer medicamentos experimentais.

2.A ausência de registro na ANVISA impede, como regra geral, o fornecimento de medicamento por decisão judicial.

3.É possível, excepcionalmente, a concessão judicial de medicamento sem registro sanitário, em caso de mora irrazoável da ANVISA em apreciar o pedido (prazo superior ao previsto na Lei nº 13.411/2016), quando preenchidos três requisitos:

(i) a existência de pedido de registro do medicamento no Brasil (salvo no caso de medicamentos órfãos para doenças raras e ultrarraras);

(ii) a existência de registro do medicamento em renomadas agências de regulação no exterior; e

(iii) a inexistência de substituto terapêutico com registro no Brasil.

4.As ações que demandem fornecimento de medicamentos sem registro na ANVISA deverão necessariamente ser propostas em face da União.

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, foi o último a votar, desprovendo integralmente o recurso interposto por uma mulher contra o Estado de Minas Gerais, que questionava acórdão segundo o qual: se o medicamento indicado pelo médico não possui registro na Anvisa, não há como exigir que o Estado o forneça, já que proibida a sua comercialização.

Para Toffoli, o registro é uma forma do Estado contribuir para a própria garantia do direito à vida e à saúde e que o registro é fundamental para a regulação dos preços. “Alguns laboratórios não pedem registro para não se submeter à regulação dos preços”, afirmou. Para Toffoli, a possibilidade de fornecer o medicamento acontece apenas em “situações excepcionalíssimas”, já definidas em lei.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga-nos nas redes sociais para ver muito mais!

Estamos no FacebookTwitterInstagramLinkedIn e YouTube.

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.