Na última segunda-feira, dia 13/04, a OAB encaminhou ofícios fazendo indicações quanto às medidas nacionais, assim, como as recomendações para os Estados, ressaltando a importância da proteção das mulheres durante o tempo de isolamento social por conta da COVID-19. Foram endereçados para o CNJ e para o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

O texto foi justificado devido ao crescimento das estatísticas de agressão contra as mulheres, por estarem confinadas desde o início da quarentena com os agressores.

“Expostas a violência que vem sendo agravada em função do isolamento social, sendo que, nesse contexto, torna-se ainda mais difícil que amigos e familiares observarem lesões corporais, alteração comportamental ou simplesmente o sumiço de mulheres.”

Para o CNJ, foram apresentadas quatro propostas, sendo elas a prorrogação automática de medidas protetivas de urgência que já existem; o deferimento de medidas protetivas de urgência com prazo indeterminado; execução de campanhas com cartazes informativos dentro de farmácias, bancos, supermercados e redes socais; e o monitoramento dos casos, devendo haver a divulgação periódica com as informações das ocorrências e as medidas tomadas.

Para o Ministério, três propostas concretas foram feitas. Realizar uma campanha nacional com alerta sobre o crescimento da violência doméstica e familiar no Brasil, assim como a divulgação de canais para que sejam feitas denúncias e busca de auxílio, além do Estado implementar e fortalecer as campanhas com cartazes informativos dentro de farmácias, bancos, supermercados e redes sociais. E, por fim, recomendam as delegacias digitais para a Polícia Civil, e outras maneiras que facilitem que a denúncia seja feita para os órgãos, além de delegacias móveis para o registro das ocorrências e os pedidos de medidas protetivas.

Tenha as mesmas condições

Na sexta-feira, dia 10/04, foi publicada pela Comissão Nacional da Mulher Advogada uma nota informando sobre o cenário de que a violência doméstica e familiar aumentou devido as mulheres estarem em confinamento. A comissão também assina os documentos que foram encaminhados para o CNJ e ao Ministério.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.