A 3ª turma do STJ, por unanimidade, confirmou a decisão do ministro Paulo de Tarso Sanseverino, o qual deu parcial provimento ao recurso especial de uma operadora de plano de saúde para julgar improcedente o pedido de indenização por danos morais pleiteado por uma cliente, que durante a carência do plano, teve sua cobertura de cesariana negada.

A gestante ingressou com ação, pleiteando indenização por danos morais e teve seu pedido confirmado no TJ/DF, que reconheceu a urgência e condenou a operadora a cobrir integralmente a cesariana. Nesse sentido, por considerar indevida a recusa da empresa em relação à negativa da cobertura, o Tribunal concluiu pela incidência de danos morais.

Inconformada com a decisão, a empresa interpôs recurso especial apresentado ao Superior Tribunal de Justiça, alegou má-fé da beneficiária, inocorrência da urgência média e descabimento da cobertura durante o período de carência e, por conta disso, não era possível a configuração de danos morais reconhecidos pelo TJ/DF.

Nesse seguimento, a operadora de plano de saúde sustentou a má-fé por parte da beneficiária pois, durante a contratação do plano de saúde, não fora divulgado seu histórico de saúde e sua condição de gestante e, portanto, segundo a empresa, a má-fé estaria caracterizada por conta da omissão da beneficiária.

Tenha as mesmas condições

O relator do processo, ministro Paulo de Tarso Sanseverino, considerou que os laudos médicos deixaram dúvidas acerca da urgência do procedimento pleiteado, de modo a excepcionar a carência da cobertura. Ademais, o ministro considerou que para verificar a situação de urgência da cirurgia, seria necessário o reexame de provas, o que não é permitido por conta da Súmula 7 do STJ.

Por fim, em relação à má-fé da beneficiária, o ministro entendeu que, como no questionário de saúde não há indagação sobre suas condições de saúde, o plano não adotou os procedimentos previstos na resolução 162/07 da ANS e, portanto, mostra-se descabida a recusa da cobertura. Entretanto, compreendeu que não é possível a indenização por danos morais, visto que o dano gerado não foi o suficiente para extrapolar a esfera contratual e atingir o direito da personalidade da beneficiária.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.