O Supremo Tribunal Federal, através do Recurso Extraordinário 1.249.945, que teve repercussão geral reconhecida por unanimidade pelo plenário virtual, irá analisar se o regime de recuperação judicial aplicado em empresas privadas pode ser utilizado em empresas públicas, assim, será discutida a constitucionalidade do art. 2º, I da Lei de Falências (11.101/2005).

Trata-se de recurso extraordinário interposto pela Empresa Municipal de Serviços, Obras e Urbanização, de Montes Claros/MG, contra decisão proferida pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que negou a aplicação do regime de recuperação judicial à empresa estatal, visto que o artigo 2º mencionado anteriormente veda a aplicação da Lei de Falências e, consequentemente, do regime de recuperação judicial, às empresas públicas e sociedades de economia mista.

O Tribunal sustentou que a empresa pública depende de lei autorizadora para sua criação e sua extinção e, por conta disso, o regime de recuperação judicial previsto na Lei nº 11.101/2005 é incompatível com a natureza jurídica das empresas estatais.

No recurso interposto, a empresa estatal argumenta que o artigo 173, parágrafo 1º, inciso II, da Constituição Federal, determina a submissão das empresas estatais ao regime jurídico próprio das empresas privadas e, por conta disso, far-se-á possível a aplicação da recuperação judicial em empresas públicas e sociedades de economia mista.

Ao analisar o caso, o relator, ministro Luís Roberto Barroso, determinou a existência de repercussão geral, visto que o conteúdo tem relevância do ponto de vista social, por conta da existência de entidades administrativas que prestam serviços públicos e atividades relevantes à sociedade e, por outro lado, em relação ao conteúdo jurídico, verifica-se a presença da interpretação da matéria de acordo com o estabelecido pela Constituição Federal. Ainda, sob o conteúdo econômico, há um grande impacto financeiro nas contas públicas da exclusão das empresas estatais do regime citado.

Tenha as mesmas condições

De acordo com o ministro, a Constituição Federal dispõe sobre o tratamento igualitário entre empresas estatais e privadas, de forma que sejam analisadas sob o ponto de vista do regime jurídico próprio das empresas privadas, por conta disso, far-se-á necessário a discussão para verificar a exclusão prevista no art. 2º, da Lei de Falências.

Por fim, diante da discussão acerca da constitucionalidade da norma supracitada, bem como através do reconhecimento de repercussão geral, insta salientar que a Corte irá manifestar-se a respeito do tema em análise feita pelo Plenário.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

 

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.