O plenário do STF, por maioria, entendeu que não é mais necessário o depósito recursal para a admissibilidade de recurso extraordinário.

Tal entendimento se deu por conta de uma reclamação trabalhista contra a Telepar – Telecomunicações do Paraná, atualmente Oi S/A, após o julgamento em primeira instância do processo, o caso chegou ao TST que impediu a interposição de recurso extraordinário pela Brasil Telecom para o Supremo, pelo motivo da empresa não ter comprovado o recolhimento do depósito recursal, justificativa que pode causar a deserção recursal.

No STF, a empresa sustentava que o recolhimento de depósito recursal era válido somente na esfera trabalhista de acordo com os casos previstos pela CLT, por outro lado, tratando-se de matéria cível, há somente o pagamento das custas processuais, que foram devidamente recolhidas.

O relator do recurso extraordinário, ministro Marco Aurélio, sustentou que a exigência de depósito recursal não é razoável, visto que o acesso à Justiça e à ampla defesa são garantias constitucionais e, portanto, não há o que dizer sobre necessidade de depósito prévio para acessar o Poder Judiciário.

Ademais, argumentou também que o recurso extraordinário é um instituto processual para preservar a autoridade da Constituição, logo, a exigência de depósito recursal seria uma afronta às liberdades fundamentais.

Por fim, acompanharam o relator os ministros Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux e Gilmar Mendes e ficaram vencidos os ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e o presidente do STF, ministro Dias Toffoli.

Tenha as mesmas condições

1. Recurso Extraordinário e suas características

            O recurso extraordinário é um instituto processual para garantir a plenitude do sistema jurídico, ou seja, as leis devem seguir a Constituição Federal.

Considerando que o Supremo Tribunal Federal é o guardião da Constituição Federal, tem-se positivado no art. 102, inciso III da CF que é de competência do STF o julgamento do recurso extraordinário.

Ademais, o recurso extraordinário é uma espécie recursal que será interposta para fazer um reexame de sentenças e decisões quando essas: contrariem o dispositivo constitucional, declarem a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal, julguem válida lei ou ato de governo local contestado em face da Constituição Federal, como também julguem válida a lei local contestada em face de lei federal.

Vale destacar que para o recurso extraordinário perante o Supremo Tribunal Federal seja admitido, far-se-á necessário a análise da admissibilidade do recurso, sendo necessário observar a demonstração da repercurssão geral das questões constitucionais discutidas em sua causa.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.