Na última terça (12/11), Nancy Andrighi, ministra do STJ, dispôs de uma argumentação diferente do voto proferido por Moura Ribeiro, ministro relator do caso, sobre um recurso que versa sobre o debate se um plano de saúde deveria, ou não, custear uma fertilização in vitro (FIV).

O caso é originário do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) e foi decidido procedente, consistindo em uma ação em que um casal pleiteou que o plano de saúde cobrisse os gastos obtidos em uma fertilização em vitro, pedindo que o valor de todo o procedimento fosse de responsabilidade pela empresa.

Ao chegar no julgamento do STJ, o colegiado discutiu sobre a aplicação prática do artigo 10, III da lei 9.656, que dispõe sobre a exclusão da inseminação artificial de um plano de saúde e se isso também abrangeria a atividade sobre a FIV.

Vejamos:

Tenha as mesmas condições

 Art. 10.  É instituído o plano-referência de assistência à saúde, com cobertura assistencial médico-ambulatorial e hospitalar, compreendendo partos e tratamentos, realizados exclusivamente no Brasil, com padrão de enfermaria, centro de terapia intensiva, ou similar, quando necessária a internação hospitalar, das doenças listadas na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, da Organização Mundial de Saúde, respeitadas as exigências mínimas estabelecidas no art. 12 desta Lei, exceto:

III – inseminação artificial;

Nancy divergiu de Moura, ministro que votou a favor do casal, realizando uma negativa sobre o provimento do recurso interposto contra o acórdão proferido em segunda instância. Para a ministra, se essa tese em benefício do casal for acolhida, todas as ocorrências de novas técnicas científicas para a reprodução humana deverão ser compreendidas pelos planos de saúde, dizendo:

A ANS se limitou a regulamentar o conceito de inseminação artificial, sem acrescentar novas hipóteses nem ampliar o conteúdo normativo já contido na própria lei.

Dessa forma, sua justificativa foi pautada no fato de que a inseminação artificial compreende a fertilização in vitro, assim como todas as outras práticas científicas de reprodução assistida.

Logo, ela concluiu que a regulamentação que versa sobre as exclusões desses métodos tratam-se pautadas na lei 9.656 e não existe outra forma jurídica que possibilite esses meios.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.