A 2ª seção do Superior Tribunal de Justiça reformou decisão que afastou o pagamento da comissão de corretagem à corretora de imóveis após efetiva intermediação, visto que o acórdão reformado considerou a presença de cláusula contratual que estabelece a devolução dos valores de corretagem caso haja posterior rescisão.

Nesse sentido, a propositura da ação rescisória se deu por parte de uma corretora de imóveis que pleiteou a rescisão de acórdão proferido pela 4ª turma do STJ, que determinou o não pagamento da comissão de corretagem.

De acordo com os autos do processo, a corretora de imóveis foi contratada para exercer seus serviços de venda por uma construtora imobiliária. Entretanto, após efetuar as vendas necessárias, destacou que não houve o pagamento da comissão de corretagem e, após ingressar no Poder Judiciário para reaver os valores, obteve resposta positiva da Justiça e, consequentemente, recebeu R$ 500 mil a título de comissão de corretagem.

Os juízos de 1º e 2º grau entenderam que a comissão de corretagem era devida à corretora de imóveis, visto que houve a efetiva intermediação da venda dos negócios, independentemente da rescisão por falta de pagamento das prestações que ocorreu posteriormente.

Contudo, a 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça reformou o entendimento proferido pelas instâncias inferiores, sustentando que não houve a concretização da venda dos imóveis e, por conta disso, não há o que se falar de comissão de corretagem, visto que não houve celebração e concretização dos negócios.

Tenha as mesmas condições

Inconformada com a decisão proferida, a corretora ajuizou ação rescisória, argumentando que o acórdão proferido pela Turma incorreu em erro de fato, visto que a concretização dos contratos não era ponto controvertido, já que não houve a desistência, mas sim a posterior rescisão contratual por falta do pagamento das prestações.

De acordo com o ministro Marco Buzzi, que analisou a ação rescisória ajuizada pela corretora, o caso recebeu outros contornos quanto ao julgamento proferido pela 4ª Turma.

Em seu entendimento, quando o assunto trata de questionamento sobre o recebimento ou não de comissão de corretagem, é comum haver controvérsias sobre os fatos estabelecidos na inicial, entretanto, destacou que a controvérsia no caso concreto não estava relacionada com os objetivos da corretagem, mas sim com a validade da cláusula contratual que afastava o direito do recebimento da comissão após posterior cancelamento.

Portanto, esclareceu que o eventual cancelamento do contrato celebrado entre comprador e a corretora de imóveis não pode ser motivo para indeferir o pagamento da comissão de corretagem, visto que a corretora tem a função de intermediação, que fora cumprida com efetividade, já que houve a concretização da venda.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.