A 3ª turma do STJ entendeu que o deputado não deve indenizar a instituição em decorrência da paródia feita com base na música “o Portão”, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, em sua campanha eleitoral de 2014.

Conforme o colegiado, a paródia está dentro das limitações do Direito de Autor, prevista no art. 47 da Lei dos Direitos Autorais, esta prevê que podem ser livres as paráfrases e parodias que não sejam verdadeiras reproduções da obra originária, não implicando em descrédito. Da mesma forma, os ministros recordaram que no caso de as condições serem respeitadas, não é necessário que se tenha autorização do titular da obra parodiada.

No processo, a gravadora entrou com ação reparatória de danos morais argumentando que o deputado violou os direitos autorais ao fazer a parodia para fim de proveito eleitoral. Em seus argumentos, foi disposto que Tiririca alterou a letra original da música de forma a afirmar que o cantor votou nele e que votaria novamente, além de apresentar a paródia usando roupas que imitavam a aparência de Roberto Carlos.

O julgamento de 1º grau deu como procedente, e, após a análise da apelação, o TJ/SP deu provimento ao recurso de forma que apenas excluía da relação processual o diretório do partido, mantendo, assim, a condenação do deputado.

Tenha as mesmas condições

O relator, ministro Marco Aurélio Belizze, afirma que a Lei dos Direitos Autorias é explicita assegurando a proteção em relação às paródias, sendo elas obras autônomas e desvinculadas da necessidade de autorização. Seu fundamento também foi dado pela citação do voto do Ministro Villas Bôas Cueva no REsp 1.597.678, em que o conceito de paródia é discutido, reforçando a ideia da obra é provocar o riso, sem causar prejuízos à obra original.

Segundo o ministro, a atividade jurisprudencial não pode ser confundida com critica artística, e o fato de que nas instancias de origem ser afirmado que a obra utilizada pelo deputado não possuía finalidade humorística não é o bastante para que seja afastada a caracterização da paródia.

Analisando o caso, de acordo com Belizze, não existe como afastar a incidência da regra do artigo 47 da Lei dos Direitos Autorais, pois a parodia não tem conteúdo que insulte outros candidatos ou ao titular da música original.

1) O que é paródia?

A paródia é uma recriação de uma obra já existente, feita de forma dominantemente cômico. Podendo ter um teor crítico, irônico ou satírico sobre a obra que está sendo parodiada. Essa obra, que pode ser caracterizada como nova, é feita por meio de alterações no texto ou imagem do produto original.

Essa ferramenta é utilizada para a discussão de assuntos polêmicos, de modo despreocupado e que não deixe a situação pesada. Suas características básicas são a intertextualidade e intratextualidade.

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.