A 14ª turma do TRT-2 decidiu pela negação ao recurso de uma reclamante que teve amizade comprovada pelas redes sociais com a testemunha que depôs em seu processo. Foi provado que havia uma relação de amizade real.

Após muito se discutir, Fernando Álvaro Pinheiro, desembargador do Tribunal em questão, citou que a testemunha não possuía apenas um papel de amigo em redes sociais, mas, colocava-se em posição de “irmão afetivo”, tudo isso pautado nas mensagens trocadas pela internet.

A turma possui o entendimento de que a amizade virtual não torna a testemunha inválida, mas, caso haja uma ligação afetiva que esteja além da internet, será considerada suspeita.

Vejamos o posicionamento do relator:

“A suspeição não decorre de amizade virtual, mas da real, que, por coincidência, também foi retratada no mundo virtual […] Imperioso distinguir a ‘amizade decorrente meramente de rede social’ daquela amizade real, e que também é retratada no ambiente virtual. Carece a primeira de elementos afetivos existentes nas relações de amizades, caracterizando apenas por um vínculo virtual onde várias pessoas se relacionam com postagens de fotografias, filmes e opiniões”.

Assim, podemos concluir que os posicionamentos doutrinários e jurisprudenciais estão de acordo com o sentido de que o relacionamento de amizade somente nas redes sociais não indefere a testemunha para o seu depoimento. Logo, o tribunal seguiu a mesma decisão do juiz da instância inferior.

1) A participação da testemunha e suas características:

As testemunhas, no processo trabalhista, são de suma importância porque fazem parte de um material probatório da ação, ou seja, nas audiências de instrução e julgamento, os depoimentos recolhidos dessas pessoas serão utilizados como prova para formar a decisão do juiz, podendo ser, em alguns casos, mais significativa que as provas documentais.

Tenha as mesmas condições

Para que haja total lealdade e imparcialidade nos depoimentos colhidos, existem algumas regras que devem ser seguidas para que não haja influência pessoal no curso do processo.

Vejamos o artigo 829 da CLT:

“A testemunha que for parente até o terceiro grau civil, amigo íntimo ou inimigo de qualquer das partes, não prestará compromisso, e seu depoimento valerá como simples informação.”

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.