A juíza do Trabalho substituta, Elysangela de Souza Castro Dickel, da 5ª Vara do Trabalho de Brasília/DF, declarou incompetente a Justiça do Trabalho para julgar a execução das contribuições previdenciárias sobre as parcelas pagas no curso do contrato, bem como condenou a testemunha por litigância de má-fé após mentir em juízo.

Um funcionário ajuizou reclamação trabalhista em face de uma empresa de saneamento que o dispensou sem motivo em 2018. Em um primeiro pedido, o funcionário requer o reconhecimento de horas extras e intervalo intrajornada por conta do período trabalhado, ademais, sustentou que laborou aos domingos e, portanto, pleiteia o pagamento em dobro ou folga compensatória.

Além disso, requer o reconhecimento de diferenças salariais e de multa convencional, bem como alega ter sofrido assédio moral a ponto de configurar danos morais e, por conta dos assédios sofridos, adquiriu doença ocupacional, sustentando a necessidade de ser indenizado pelos lucros cessantes durante o período em que ficou afastado do trabalho.

Em sua defesa, a empresa alegou a incompetência da Justiça do Trabalho em relação às contribuições previdenciárias, bem como a inépcia da inicial. Referente ao mérito apresentado pelo reclamante, a empresa negou todos os pontos apresentados e apresentou provas necessárias para desqualificar o exposto pelo reclamante.

Ao analisar o caso, a magistrada destacou que a Justiça do Trabalho é incompetente para apreciar a execução das contribuições previdenciárias sobre as parcelas pagas no curso do contrato. Ademais, destacou que não houve nenhum prejuízo à produção de defesa útil e, portanto, afastou a alegação de inépcia levantada pela reclamada.

Tenha as mesmas condições

Referente ao mérito da reclamação trabalhista, a juíza verificou que a empresa apresentou provas de que a testemunha convidada pelo autor é amiga íntima e possui demanda contra a reclamada.

Além disso, destacou que a empresa apresentou provas que demonstram que a testemunha mentiu em juízo, cometendo crime de falso testemunho e, portanto, requereu a desconsideração do depoimento.

Por fim, a juíza acatou a sustentação da reclamada, condenando a testemunha ao pagamento de multa por litigância de má-fé e determinou a remessa da sentença e do processo para o MPF, a fim de averiguar o cometimento de crime de falso testemunho. Nesse sentido, julgou improcedente os pedidos expostos na reclamação trabalhista.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.