Esse foi o entendimento proferido pela 1ª Câmara da 1ª Turma do TRT da 15ª região ao afastar o vínculo empregatício, bem como as verbas decorrentes dessa relação, de um professor de idiomas.

No processo, a escola argumenta que o professor foi admitido na condição de prestador de serviços, realizados em períodos determinados e sem a presença de requisitos que caracterizam um vínculo empregatício. Porém, o professor alega que não assinou contrato de prestação de serviço nem de trabalho, assim como cumpria horários fixos.

De início, foi julgado procedente o pedido do professor, reconhecendo, assim, o vínculo de emprego. A juíza do trabalho levou em consideração provas testemunhais para que se decidisse sobre os trabalhos foram prestados com pessoalidade.

Em sede recursal, a relatora do caso diz que os autos não revelam que existe a relação mantida entre partes gerava vínculo de emprego. Para a desembargadora, as alegações da escola de que o professo tinha autonomia par prestar os serviços foi corroborada pela prova testemunhal.

Assim como ela pontua que o autor afirma em seu depoimento pessoal que ele não ministrava cursos lineares, mas treinamentos específicos tendo como base a conversação. Ainda mais, o professo tinha plena liberdade de decidir setinha interesse ou não em ministrar as aulas em certos horários, nos quais ele podia recusar-se ou não a comparecer. Com esse entendimento, o colegiado decidiu que reformariam a sentença afastando o vínculo empregatício e assim como todas as condenações que decorreram dele.

Tenha as mesmas condições

1) O que é vínculo empregatício?

É por meio dessa classificação que se define a existência ou não de direitos trabalhista. Quando esse vínculo existe, o empregador será responsabilizado por uma série de direitos e deve seguir as leis trabalhistas.

Para que esse vínculo exista é preciso cumprir uma série de requisitos:

  • Trabalho executado por pessoa física;
  • Personalidade na execução do trabalho;
  • Não eventualidade;
  • Onerosidade;
  • Subordinação; e
  • Austeridade

A CLT dita quais são as duas partes existentes para exista uma relação de trabalho, sendo essas exportas do nos seus primeiros artigos:

Art. 2º – Considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço.

 Art. 3º – Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.