O ministro Luis Felipe Salomão, do Superior Tribunal de Justiça, manteve a condenação aplicada pelo TJ/SP em face a uma empresa que violou o trade dress de outra concorrente, que, consequentemente, teve a mercadoria apreendida pela Receita Federal.

De acordo com o ministro, o uso indevido da marca ou do trade dress ocorre independentemente da existência de violação a outros direitos de exclusividade e dispensa a ocorrência de prejuízos concretos.

Em análise consonante dos autos do processo, uma empresa ajuizou ação alegando que a alfândega do Porto Itaguai/RJ apreendeu 8.252 mochilas importadas, que reproduziam ilicitamente os modelos originais de sua marca, de acordo com essa visualização, a empresa pleiteou a concessão de indenização a título de danos morais e o reconhecimento de concorrência desleal.

A parte que figura o polo passivo da demanda, por sua vez, alegou que não é possível a condenação por danos morais, visto que a mercadoria se encontra apreendida pela Receita e, consequentemente, não pode ser comercializada, além de não possuir o registro necessário e, por isso, não se pode falar de concorrência desleal.

Tenha as mesmas condições

O juízo de primeiro grau acatou o pedido da empresa ré, julgando improcedente os pedidos formulados pela empresa autora da ação, o que ocasionou a interposição de recurso para que o Tribunal pudesse reexaminar o caso, sustentando, sob prova pericial, de que houve violação em relação ao trade dress dos produtos, visto que havia clara cópia do design.

O Tribunal de Justiça de São Paulo reformou a sentença proferida pela instância inferior e condenou a empresa recorrida a não praticar mais atos de importação, armazenamento, venda ou exposição dos produtos, sob pena de multa diária de R$ 10 mil, além de condená-la a indenização por danos morais no valor de R$ 50 mil.

Contudo, ao ser condenada pelas práticas desleais, a empresa ré interpôs recurso especial para que o Superior Tribunal de Justiça pudesse analisar o caso. Entretanto, ao analisar o recurso, o ministro Luis Felipe Salomão observou que o trade dress juntamente com a marca é o ativo mais valioso da empresa, sendo um meio pelo qual o empresário consegue destacar-se no mercado. Portanto, manteve a condenação aplicada pelo TJ/SP e negou provimento ao recurso da empresa condenada.

Gostou deste conteúdo?

Então, siga nossos perfis no FacebookInstagramLinkedIn e Twitter!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.